News

« Voltar para a página de notícias 30/07/2009

Tradicional empresa de refeições coletivas cria divisão de tíquetes para aproveitar o espaço deixado pela venda da VR para a Sodexo

Quem foi que disse que o mercado de tíquetes-refeição está consolidado em três grandes empresas? Certamente não foi Daniel Mendez. Contrariando a expectativa de analistas e profissionais do setor - que não vêem espaço para novos concorrentes aos pesos-pesados Ticket, VisaVale e Sodexo -, o presidente da empresa de refeições coletivas Gran Sapore decidiu enfrentar os gigantes e mostrar o seu cardápio. Trata-se de uma nova receita que Mendez já desejou experimentar algumas vezes. O ponto certo para servi- la, porém, surgiu após o Grupo VR, da família Szajman, confirmar a venda da carteira de clientes para a Sodexo, por R$ 1 bilhão, no ano passado. Para Mendez, chegara o momento de criar uma divisão na sua companhia para cuidar dos tíquetes refeição. Por isso, há três meses ele trabalha na Sapore Benefícios, sua garfada para abocanhar uma pequena fatia do domínio desses gigantes, que concentram 68,5% de um total de 19 milhões de vales.


Aqueles que conhecem a determinação de Mendez, um uruguaio que chegou ao Brasil quando criança e começou a carreira como garçom, desconfiam que o menu pode ser diferente daquilo que aparenta. Ele traçou uma meta de ter um milhão de tíquetes no primeiro ano do negócio. Para esse plano ousado ser cumprido, o empresário alocou a Sapore Benefícios em uma estrutura própria. E trouxe uma equipe com experiência de mercado. A maior parte das 15 pessoas veio da VR, inclusive o executivo que cuidará do dia-a-dia dos negócios de tíquetes: Carlos Coutinho, antigo braço direito de Claudio Szajman. A nova divisão exigirá um desembolso de R$ 35 milhões. "Quantos bifinhos vou ter que fazer para pagar esse investimento?", brinca o presidente do Grupo Sapore.


Esses bifinhos devem ser vendidos para as mesmas companhias às quais a Gran Sapore serve refeições coletivas. Isso porque as grandes corporações utilizam refeitórios em suas matrizes, mas suas filiais compram tíquetes para os funcionários se alimentarem em restaurantes. A segunda estratégia é conquistar parcerias ou adquirir pequenas empresas regionais, que possuem base de, no máximo, 50 mil vales-refeição. Nos próximos dias, a Sapore Benefícios deve fechar negócio com uma empresa do interior de São Paulo. "Queremos uma rede nacional com boas marcas regionais", diz Coutinho.